segunda-feira, 8 de novembro de 2010

FALCÃO - Animal de Poder

Caminhávamos aqui perto de casa. Observava, como é meu hábito quando sonho, de fora, consciente de que tudo o que via se passava noutra dimensão da realidade.
"Olha...um falcão!"
"Como sabes que é um falcão?"
"Não te mexas! Ele vai poisar aqui...porque as asas são em V...e tem os olhos castanhos, não amarelos como as águias e milhafres."
O Falcão desceu dos céus e poisou a poucos passos de onde eles se encontravam. Não se moveram...ela sorriu e estendeu uma mão aberta em concha e abriu o coração. O Falcão olhou-a interessado e aproximou-se até lhe tocar os dedos com o bico afiado. Os olhos castanhos penetraram nos dela, fazendo-a recordar algo importante e familiar, que logo retornou ás profundezas do seu subconsciente, com o despertar para um novo dia.

Assim me surgiu o Animal de Poder que se segue: O FALCÃO.

O Reino dos pássaros é o ar que interliga o Paraíso com a Terra. São os pássaros que se movem entre ambos. Fazem o caminho entre a espiritualidade e a matéria. O ar em movimento é o vento que simboliza o movimento e a capacidade de voar, nas asas da inspiração, intuição e criatividade.

O Falcão sempre desempenhou um papel importante na mitologia de várias civilizações
Associado a Freyja e à feitiçaria na mitologia Nórdica, o falcão era um animal dotado de dois poderes especiais: o vôo e a visão. O vôo simbolizava o poder de viajar entre mundos, bem como seu fácil alcance entre o céu e a terra, tornando-se um elo entre todos os seres e mundos. Freyja tinha uma capa de penas de falcão e com ela podia transmutar-se numa ave e fazer essa mesma jornada entre mundos. O mesmo acontecia com a sua visão, um dom especial, uma vez que ia além do habitual alcance do homem. No topo de Yggdrasil está uma grande águia que possui um falcão entre os seus olhos, simbolizando o poder da visão. Assim, temos o Falcão como um símbolo de conexão divina e espiritual, símbolo de equilíbrio entre o céu e a terra, provedor de visão e provedor da expansão do espírito para o além. Ao estar relacionado com a conexão entre mundos e com a Árvore da Vida Nórdica, podemos relacionar o Falcão com a carta de Tarot O Dependurado.


Esta carta pede-nos para encarar-mos a realidade de uma nova perspectiva, a pararmos e ver-mos o mundo ao contrário do que nos é habitual...O Arcano XII do Tarot representa o sacrifício a que são submetidos todos aqueles que perseguem um ideal. Também está relacionado com o tema do voo durante os sonhos (ligação entre mundos) e do isolamento dos místicos. Mostra-nos um homem suspenso por um pé, amarrado numa viga de madeira apoiada entre duas árvores, cada uma com seis ramos cortados. Esta moldura forma um quadrado o que nos remete para o mundo material. Neste sentido, os doze ramos cortados podem exprimir a extinção da vida, por isso, este arcano pode representar aquele que não vive a vida terrena, mas que está num mundo de sonhos idealizados. As pernas cruzadas denotam a predominância do mundo material sobre o espiritual, o pé não amarrado indica contudo que a situação não é incorrigível. Tem uma expressão serena com as mãos nos bolsos, como se estivesse a observar. Isso quer dizer que às vezes, temos que olhar as coisas por um outro ângulo para que possamos compreendê-las. Por outro lado, a carta XII leva-nos á casa 12 da Roda Zodiacal e ao signo de Peixes, aos doze signos, doze meses do ano, doze apóstolos, as doze tribos de Israel...Esta é uma das cartas com uma simbologia mais complexa do Tarot.

Já na mitologia Egípcia, o Falcão era considerado o único animal a
poder fixar o Sol, sendo por excelência o animal de Hórus, o Deus-Sol. Já no período pré-dinastico os reis eram conhecidos como seguidores de Hórus. Durante o Império Antigo (c. 2575 a 2134 a.C.), o Deus-Sol era adorado como pai legítimo do faraó reinante, criador de todas as leis e entidade de quem emanava toda a autoridade visível. O Deus-Sol governava nos céus como um soberano divino, contrapartida celestial do faraó. Hórus, representado pelo falcão, era o deus do céu, um símbolo da realeza divina e o protector do faraó reinante. Este Deus foi pessoalmente identificado com o rei, talvez porque o Falcão podia voar através dos céus a grandes alturas e vigiar o império. Todo o faraó, ao reinar, usava o nome de Hórus como o primeiro dos seus títulos e o seu trono era o trono de Hórus. Para os egípcios o faraó era Hórus, o falcão celeste, cujos olhos representavam o Sol e a Lua. Nos relevos há várias cenas nas quais o deus Hórus aparece ao lado do faraó como criaturas iguais, da mesma estirpe.Temos então mais uma vez o Falcão relacionado com os poderes de viajar entre mundos e visão acutilante. Em Tanis, arqueólogos encontraram esqueletos de falcões dentro de pequenas jarras. Nekhen, a Hieracômpolis dos gregos, teve um deus falcão como sua divindade local e o nome da cidade significa justamente Cidade do Falcão.
Remete-nos igualmente para a carta de Tarot O SOL.

No Arcano XIX do Tarot, o disco solar encontra-se no seu momento mais intenso e poderoso, e os raios derramam-se em linhas curvas e rectas numa alusão à dualidade do astro, que fornece luz e calor. Duas crianças nuas, despojadas e inocentes, estão em atitude amistosa e solidária. São Gémeos e remetem-nos para esse signo do Zodiaco. Há um muro que parece circundar as crianças, simbolizando os esforços e as experiências que já vivenciaram tanto no sentido físico como no espiritual e que neste estágio de sua vida, já estão concretizados. Sendo um muro baixo indica-nos que há ainda um longo caminho a percorrer. O Sol desvenda para a humanidade uma nova oportunidade. É a claridade que nos permite ver as coisas e perceber bem a realidade que estamos a viver. Ele traz segurança, mas atenção que quando assumimos uma atitude transparente, sem mistérios, e demasiado confiante, ficamos com a pureza infantil e consequentemente à mercê de aves de rapina maiores...


Para o povo nativo americano, o totem animal associado ao Elemento fogo é o Pássaro Trovão. O "Grande Falcão" que se esconde atrás das nuvens é um símbolo extremamente importante. Para alguns o Pássaro Trovão é quem chama os Seres Trovão, ou o servidor das trovoadas, o símbolo e mensageiro dos seres do fogo. Diz uma lenda que o Pássaro Trovão foi o maior falcão que já viveu na Terra. Este Falcão magnífico era muito bom e gentil, cantava lindas canções que agrupavam os outros ao seu redor em conselho. Podia cantar uma canção que aproximava as nuvens.

Infelizmente esta poderosa ave tornou-se presa de seu próprio ego, deixando-se levar pela sua grandeza. Na sua dança de arrogância, durante a sua última estadia na Terra, foi atingido por um raio e transformado em espírito. O Criador deu-lhe uma nova chance tornando-o um servente dos Seres Trovão, e quando ele sentiu prazer em servir aos outros conheceu o seu lugar no Universo. O Pássaro Trovão vive em espírito agora, mas às vezes, retorna para nos ensinar sobre a bondade, gentileza, limpeza e cura. Fala-nos igualmente sobre a dor ardente ao exibir muita arrogância. O grande Falcão inspira-nos a sairmos da nossa arrogância para servirmos e ajudarmos a curar os outros.

O Falcão simboliza precisão, memória remota, coragem, sabedoria, iluminação, capacidade de visão à distância e ao pormenor, capacidade de viajar entre mundos, mas chama também a atenção para o perigo de estarmos demasiado focados em nós mesmos e nas nossas capacidades/vitórias (ego) e não prestarmos atenção ao verdadeiro significado do que nos rodeia...o Falcão, exímio caçador, dotado de visão e rapidez - é o animal mais veloz do mundo ao alcançar velocidades na ordem dos 350 km/H em voo picado - é muitas vezes vitima de roubo por parte de outras aves de rapina de maior porte, que ao atacá-lo durante o voo forçam-no a largar a presa para se salvar. O Falcão como animal de poder dá-nos a habilidade de ver as nossas vidas em perspectiva, de nos libertarmos de toda a bagagem desnecessária e de nos conectarmos com as nossas raízes mais profundas. Podemos recorrer a ele sempre que necessitarmos de perceber algo que nos escapa sobre alguma vivência ou experiência, ele ajuda-nos a ver os detalhes que antes nos passaram despercebidos. Mas quando o Falcão nos surge como animal de poder há também que ter em atenção ... será que está a dar demasiada atenção aos detalhes deixando escapar o todo? Para tudo deve haver um equilíbrio, e é exactamente por focar toda a atenção na presa que o falcão passa de caçador a presa...Ideais elevados se não forem balanceados com a humildade podem levar a actos cruéis, à arrogância e à negação da energia do coração.

A medicina do Falcão ensina a observar, olhar o que acontece ao nosso redor de forma objectiva, a ver o que nós mesmos fazemos e recorda-nos que somos os únicos a deter o poder para receber, perceber e usar correctamente as nossas habilidades.

Os Pueblos - nativos do Novo-México - usam as penas e invocam a energia da Falcão em cerimónias de cura e para trazer a chuva e água necessárias à vida. Os anciãos reconheciam este pássaro como mensageiro das novidades e do mundo dos antepassados. O seu grito sinaliza a necessidade de olharmos para o alto com consciência e receber a mensagem que o Grande Espírito nos envia. Contactar o Falcão é accionar a sua fonte de poder espiritual. Visão ampliada, é talvez hora de fazer voos mais audazes, novas ideias, abrir-se para o novo. Quando caçam os falcões observam, olham em redor do alto, focam a presa e preparam-se para um voo quase sempre 100% certeiro. Se este animal lhe surge como animal de poder, pode estar a ser convidado a ser mais observador, inclusive das suas próprias emoções, possibilidades e caminhos. O Falcão tem um coração audacioso, voa tão alto que é banhado por completo pela energia do Sol. O Céu é o seu reino e no seu voo ele tanto se conecta com os humanos quanto com o Grande Espírito Criador - cabeça no céu mas pés bem enraizados na terra, isto é, equilíbrio entre o seu Eu espiritual e o seu Eu físico.

Bons voos nas asas do Falcão!

9 comentários:

Astrid Annabelle disse...

Estou de boca aberta, babando neste post postados às 11:33hrs!!!!!!!!!!!!
Siala que maravilha!!!
Sabe que a minha lição de vida é o Enforcado e que o Falcão faz parte do meu Tótem?!
Excelente...amei.
Beijo grande
Astrid Annabelle

arKana disse...

Olá!
um texto muito bom para reler e reler...

ao ler a parte final não me saía da cabeça do salto que falaste há dias, do cubo mágico... a questão da perspectiva e de livrares da bagagem desnecessaria (ou então não ehehe)
beijos
Namasté!
ah e o post começa de maneira brutal...

Siala disse...

Astrid, não posso deixar de sorrir...o Dependurado é, a par da Morte, a minha carta do Tarot. A constante transformação, morte e renascimento (transmutação) e a necessidade de sempre ver tudo por outros prismas (que remédio, não é cara amiga?rssss mesmo que não quiséssemos, a nossa caminhada é assim!)
Foi a primeira vez que o Falcão surgiu na minha vida, e é sem dúvida a energia que necessito neste momento...
E obrigada pelo destaque no Navegante...é uma honra para mim!!
Namasté!

Siala disse...

Arkana, também me apercebi dessa ligação ;) cada Animal de Poder que se manifesta nas nossas vidas fá-lo sempre com o intuito de nos ajudar se nós deixarmos. Por isso normalmente não recorro á energia especifica de um dado animal, peço apenas que se manifeste aquele que me quiser ajudar num momento especifico. Isto sempre honrando o meu Corvo, sempre presente!
Namasté

arKana disse...

Siala é isso mesmo ;) se estiveres receptiva aparece o animal que precisares.
Os animais com que mais "trabalho" actualmente foram ambos uma surpresa para mim.
E isso de "se nós deixarmos" é bem verdade... porque apesar de ter a cobra comigo há meses, não consigo integrar ainda essa energia.
Lembraste da dança, aquela postagem no meu blogue? deixa-te levar por uma música qualquer e dança o falcão que agora chegou. Cria a intenção de dançar para ele e deixa fluir: dança-o, como uma forma de agradecimento, para que se sinta bem vindo, como forma de te mostrares receptiva, como forma de agrado...assim o integrarás.

Digo-te isto porque assim o fazem os xamãs desde tempos imemoriais e também pela minha experiência pessoal.
Terás acesso ao que ele te vem trazer, saberás porquê ele veio. O falcão é parte de ti, da tua natureza.
Beijos
Namasté!

MOISÉS POETA disse...

incrivel postagem...!

adorei seu blog , virei leitor...!


um beijo !

António Rosa disse...

Siala

Que belo post. Aprendi muito e sei que convivo também com este animal de poder.

Enquanto lia, passei pela 'Lua' e agora ao escrever-te isto, voltei acima para a ver de novo. Fiquei sem perceber se já é velhotinha ou ainda juvenil. É linda e com um ar meigo e doce.

Beijos

António

Siala disse...

Amigos desculpem não ter vindo antes, mas estive desde sexta feira sem net!
@ArKana, pois o Magusto reservou exactamente um momento muito especial com musica da que ambas gostamos (gaita de foles incluida) ao vivo, fogueira acesas e muita dança...as pequenitas adoraram e eu viajei ;)
@Moisés Poeta, obrigada pela visita e carinho! Irei visitá-lo também em breve!
@António, a Lua partiu a semana passada. Era uma cadela recolhida pela ASAAST (St.Tirso), que estava com vários problemas emocionais causados por uma historia de vida muito triste, e que infelizmente se traduziram num tumor cerebral. Era uma das minhas "protegidas" a quem enviava Reiki á distância. Agora já não está a sofrer...a sua missão de vida foi cumprida.
Namasté!

Shitarum disse...

Ola Siala,

Obrigado pelo post, esta muito bom as informações sobre este aliado de poder;
Estudo os aliados através do caminho de Cóndor Blanco, e sou fascinado pelo falcão;

Sentir prazer em servir aos outros, foi minha grande lição em seu post;

Abraço,
Shitarum