quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Os Fundamentos da Comunicação Inter-Espécies




Desde crianças que ouvimos dizer que os animais não falam. Muitas das vezes a esta crença é adicionado o pré-conceito de que os animais não têm alma, não têm sentimentos e que são inferiores em relação ao ser humano.
Contudo homens e animais convivem há milhares de anos, estabelecendo relações profundas que ultrapassam a mera necessidade ou beneficio imediato e visível.
Penélope Smith é a pioneira da Comunicação Animal conforme a conhecemos hoje, e é a ela que se deve o grande desenvolvimento no estudo e aplicação das terapias holisticas em animais. Ao aperceber-se em 1971 que era possível comunicar telepaticamente com os nossos companheiros animais iniciou a construção de um modelo de Comunicação inter-espécies, baseando-se nessa sua capacidade inata, mas também em toda a sua experiência e prática como terapeuta holistica.
Com a divulgação do seu trabalho surgiu uma nova consciência sobre a personalidade e voz única de cada animal, cada ser vivo.
A Comunicação Inter-espécies é um processo que se baseia numa troca activa de informações entre uma pessoa e um animal, telepaticamente. Este processo beneficia tanto o animal como o terapeuta e os companheiros humanos do animal. A comunicação dá-se através de imagens, sensações, perguntas e respostas, símbolos, e pode ser propositada, espontânea ou ocorrer apenas a nível do subconsciente.
Tudo o que existe existe numa dada frequência. O Universo move-se, vive e respira numa imensa teia energética que flui ininterruptamente. Tudo afecta a nossa frequência, inclusivé a nossa própria energia e estado emocional.
Os pensamentos e as nossas acções na vasta miríade do espaço e tempo não passam de uma frequência energética. Tendo esta premissa como base, podemos focar a nossa energia para sintonizarmos a frequência de um dado animal - exactamente como acontece com um rádio - e transmitirmos/recebermos mensagens.
Podemos interrogar-mo-nos como conseguimos "ouvir" um animal na nossa própria linguagem verbal. Para nós, humanos, a linguagem é um meio de expressão que utiliza as cordas vocais para criar a frequência vibratória necessária para produzir som. Com as nossas vozes projectamos significados e intenções pelo uso da escolha das palavras e inflexão dada. Esse som, que transporta a nossa linguagem, viaja numa frequência através de um campo energético. Essa transmissão é recebida por um receptor para ser traduzida, interpretada e percebida.
Nós, como o receptor, traduzimos a frequência que recebemos em pacotes de informação, que são diferentes para cada um de nós conforme a nossa própria rede neurológica .
Por exemplo, pessoas com fortes capacidades de visualização podem receber a comunicação na forma de imagens, já que os seus canais neurológicos já estão predispostos para processar a informação dessa forma. Pessoas que trabalhem com as palavras, como escritores ou oradores, terão uma maior tendência a "ouvir" silenciosamente a comunicação em palavras. Outros, com canais neurológicos predominantemente emocionais sentirão as emoções que se prendem áquela comunicação.
Todas estas formas de comunicação são possíveis e são acessíveis a todos nós. A chave está em treinar o cérebro para receber e processar a informação de e através de canais diferentes.
A razão porque todos nós recebemos a comunicação de um modo particular está relacionada com as experiências de vida de cada um, pois são estas que permitem e influenciam o desenvolvimento dos canais neurológicos e condicionam o nosso cérebro a processar a informação de uma determinada forma.
Os animais experienciam a comunicação de forma diferente pois desenvolveram uma capacidade multi-comunicacional reconhecendo de forma inata o simbolismo inerente a todas as formas de comunicação. Na raiz de cada pensamento, palavra ou intenção estão símbolos ou arquitétipos que são a fundação de todas as linguagens ou sistemas de comunicação.
Assim, os animais comunicam através de mensagens encriptadas que nós podemos traduzir para a nossa linguagem humana. Os animais comunicam connosco constantemente, o desafio reside em refinarmos a nossa capacidade como receptores e transmissores. Se não nos sintonizarmos, somos realmente surdos ao que os animais nos querem transmitir.

4 comentários:

arKana disse...

muito interessante! todos os dias desperto a minha criança interior com as brincadeiras e corridas e gatinhadelas cá em casa, com a mana Maia... além dessas brincadeiras, numa segunda fase, há uma imitação de gestos, da minha parte.
e a verdade é que, nisso sinto-me gato e isso faz-me sentir bem na medida em que, estou com a gatinha como uma companheira, e na medida em que entro num estado tal que começo o dia bem mais leve e cheia de energia.

hoje apercebi-me mais conscientemente disto que te relato e estive a pensar... entretanto...

chego aqui ;)

não sei quais são especificamente os métodos para entrar nessa comunicação telepática... e aquilo que te relato acima não é a mesma coisa, estou certa... mas andas a despertar-me o interesse :D

beijos e Namasté!

Siala disse...

arKana, estás lá ;) podem aplicar-se muitos métodos e sistemas, mas a chave principal é o coração, é a capacidade de amar, de comungar com a Natureza, é o sentir...cá dentro. O processo tem de começar sempre de dentro para fora :) A Comunicação inter-Espécies é também uma viagem de auto conhecimento...
Se falhar o coração...não há nenhum método que resulte. Partimos então do coração, e depois vamos conhecendo os métodos, vamos aplicando e praticando...até que sem quase darmos por isso...estamos lá :)
O que tu fazes com a tua gata, e o que fazes com a Natureza, a tua forma de sentir, de seres animal também, é essencial para esta abertura, para este caminho :)
Tal como o xamanismo sempre me cativou pelo facto de já ter em mim esta conexão animal, é absolutamente natural que também tu te sintas chamada para este prisma pois a conexão também já existe em ti :)
Tenho a certeza que falaremos muito sobre isto!...
Namasté!!

Maria Paula Ribeiro disse...

Siala,

Muito bom. Desconheia o trabalho da Penélope, mas sigo o trabalo da Diane Stein que se encontram em "paralelo"...

Posso dizer que tenho um bom treino de aprendizagem aqui, e sim...eles comunicam connosco, com o olhar principalmente. As resposta telepaticamente são seguidas muitas vezes por gestos de afirmação ou recusa perfeitamente decifrados pelo no consciente... ;)))

Bem-hajas linda!

Beijo grande

Siala disse...

MP ;) conheço muito bem o trabalho da Diane...Foi o Reiki Essencial que me abriu a porta para o meu caminho!
Tu és uma comunicadora inata para além de excelente profissional veterinária! A comprovar estão os resultados que consegues!
Obrigada pelo apoio :)
Beijinhos!!!
Namasté